O QUE APRENDEMOS COM AS OLIMPÍADAS DE TÓQUIO


 

 

 

 

Os Jogos Olímpicos de Tóquio chegaram ao fim. Durante um mês, acompanhamos histórias de vitória e superação de atletas do mundo inteiro. Vimos o Brasil terminar em 12º lugar no quadro de medalhas, nossa melhor participação em Olimpíadas, somando sete medalhas de ouro.

Agora que as Olimpíadas acabaram, o Challenge quer compartilhar com você o que podemos aprender com os jogos.

  1. Cooperação

Trabalhar em equipe é cooperar. Assim como um time, aprendemos que trabalho em equipe exige muita compreensão. Cooperar é dar o melhor de si com a consciência de que todos estão fazendo sua parte, mas também envolve aceitar o erro do outro e seguir em frente. Quando um time deixa de se concentrar na partida para apontar o erro individual de um jogador, a derrota fica um pouco mais próxima.

A equipe ideal é aquela em que ninguém teme errar, pois sabe que encontrará o apoio de seus colegas e o grupo superará suas dificuldades em conjunto.

  1. Respeito

Nenhuma competição é viável sem que haja respeito entre atletas. É preciso reconhecer as regras da competição, manter o profissionalismo com os demais competidores e exercer o famoso Fair Play, o jogo limpo.

Respeito só é possível quando reconhecemos a dignidade do outro. Isso nos traz para uma posição de humildade, a partir dessa posição que podemos aprender com os outros e crescer.

Em Tóquio, vimos uma cena inusitada: o italiano Gianmarco Tamberi e Mutaz Barshim, do Qatar, aceitaram dividir a medalha de ouro no salto em altura após um empate. Após a aprovação do comitê olímpico, que aceitou conferir uma medalha para cada atleta, Tamberi e Barshim subiram ao pódio lado a lado. A amizade entre os competidores falou mais alto do que a sede por afirmar-se o melhor.

Geralmente imaginamos esporte como sinônimo de competição. A atitude dos atletas, porém, prova que o esporte transcende a competição para ser um espaço de respeito entre competidores e amizade entre diferentes nações.

  1. Superação

Quase sempre que falamos em esporte, ouvimos falar em superação. A verdade é que a prática esportiva é uma das formas mais fáceis de testemunharmos a superação humana. Cada recorde quebrado é o final de uma longa história de superação que começou na juventude do atleta, passando por anos de dedicação, treino e privações.

A vida de um atleta é uma constante competição contra suas próprias limitações. Em 2016, o corredor italiano Massimo Stano não pôde competir nas Olimpíadas devido a uma fratura na tíbia. Com a perna enfaixada, assistiu das arquibancadas a corrida de 200 metros rasos. Muitos consideravam sua carreira extinta, já que o atleta se aproximava dos trinta anos. No entanto, Stano decidiu competir em Tóquio, onde conquistou a medalha de ouro.

Superar a si mesmo pode ser uma tarefa mais difícil do que superar um adversário. Ao mesmo tempo, superar-se já se tornou necessidade para quem deseja alcançar o sucesso: seja como acadêmicos ou empreendedores, nós somos como atletas olímpicos em busca de um resultado melhor do que o anterior.

Uma escola medalha de ouro

Estudar uma segunda língua pode ser tão gratificante quanto conquistar a medalha de ouro. Conquiste seu lugar no pódio com a escola de mais de trinta anos no mercado formando profissionais que se destacam por seu domínio do inglês.

Conheça o Challenge, uma escola que tem como pilar o respeito pelo aluno, promove cooperação em sala de aula e estabelece o caminho para a sua autossuperação. Nossa metodologia combina comunicação e gramática para você dominar a língua inglesa em qualquer situação.

Matricule-se no Challenge e conheça nossa plataforma digital: Going Global.