Como buscar originalidade no Halloween

Por que Papai Noel veste roupas tão quentes?

Viajar: Um guarda-roupa para a alma

O Dia 31 de Outubro se aproxima, e já começamos a ver crianças indo para a escola fantasiados de bruxas, zumbis ou vampiros. As lojas nos centros de compra começam a se entupir com adolescentes e jovens adultos experimentando máscaras, capas e chapéus. As preparações para a tão esperada festa de Halloween já estão em andamento…

Este me parece o momento mais oportuno para se escrever algo sobre esta festividade. Porém, como deixar de ser óbvio e não despejar um longo relato sobre as origens históricas deste dia e sobre suas tradições atuais? As fantasias – que vão desde monstrengos irreconhecíveis cobertos em sangue até bruxas sexys desfilando em salto alto – e a farta distribuição de doces, balas e guloseimas já são conhecidos por todos. As origens celtas e pagãs da festividade, que celebrava os mortos e que já acontecia bem antes do nascimento de Cristo, não são mais desconhecidas pelo povo Ocidental.

Como então burlar a obviedade e escrever algo original sobre o Halloween? Talvez detalhes curiosos sobre a história e algumas observações bem pessoais possam trazer um pouco de originalidade a este post.

Ao se ler sobre as origens do Halloween, o primeiro detalhe que salta aos olhos de um curioso é justamente o dia em que a festa é realizada: 31 de outubro. No Hemisfério Norte, esta é uma data que marca o início de um período frio. Os dias quentes certamente vão embora e a severidade do inverno traz consigo a dificuldade de sobrevivência e, como consequência mais amarga, a morte. Me parece bastante natural que povos antigos tenham dedicado o dia 31 de outubro para se pensar nos mortos e nos espíritos ruins. Se houver algum espírito do mal capaz de causar sofrimento, talvez seja mesmo melhor agradá-lo para que ele seja menos implacável em épocas de carência. Treats or Tricks!

Outro detalhe interessante sobre o Halloween é a forma como as tradições antigas foram sendo moldadas ao longo do tempo, a medida em que povos com diferentes culturas se fundiam. O domínio romano sobre os celtas, a ascensão do Cristianismo na Europa do Norte e, já mais recentemente, a vitória do modelo capitalista no Ocidente transformaram o Halloween no que se vê hoje. Os romanos parecem ter contribuído com dois dias festivos de outubro: o Dia da Passagem dos Mortos e o dia em honra à deusa Pomona – a deusa da abundância e dos pomares. Os cristãos estabeleceram o dia de Finados (1º de novembro) e o dia de Todos os Santos (2 de novembro) possivelmente como uma reação ao paganismo das culturas ‘menos desenvolvidas’. Finalmente, o capitalismo expandiu-se e comercializou isto tudo, centrando a festa nas crianças e nos adolescentes. Na minha infância, o Halloween era inexistente!

Evidentemente que a presente globalização faz com que culturas se fundam cada vez mais e que novas tradições sejam criadas de acordo com a peculiaridade de cada lugar. Mas, mesmo assim, certas coisas me causam estranheza ou, quando muito, me põe a pensar. Eu entendo que um Papai Noel usando shorts e vestindo uma camiseta estampada – o que seria razoável em um país tropical – não está muito de acordo com a estética Natalina. Assim como não temos em nossa cultura local um personagem que possa rivalizar o bom velhinho. Entretanto, a galeria de ‘monstrengos’ de nosso folclore é bastante rica para uma celebração como a do Halloween. Por que exatamente importamos bruxas, zumbis e seres fantasmagóricos para motivo de nossas fantasias?

Bom, o que escrevo talvez não seja original. No entanto, se de alguma forma você pensar em uma fantasia de Saci-Pererê, Cuca, Mula-sem-Cabeça, Iara, Caipora ou Curupira para a próxima festa de Halloween, você terá sua originalidade garantida sem sair muito do espírito da festa.

Mário Hamilton Galinatti

Como buscar originalidade no Halloween
Como buscar originalidade no Halloween

Venha Estudar no Challenge!

Endereço:

R. Gen. Salustiano 215 - Mal. Rondon - Canoas - RS - CEP: 92020-310

Email: challenge@challengecentrodeidiomas.com.br

Telefone:

51 3477 7573

Whatsapp:

51 985 946 556